NOTÍCIAS - REFLETINDO PARA EDUCAR com Rosely Sayão

REFLETINDO PARA EDUCAR

Temos  compartilhado com as famílias, frequentemente, textos da psicóloga Rosely Sayão, que escreve na Folha às terças-feiras, e nos pareceu oportuno citá-la novamente. 

Hoje, ela fez o seguinte comentário em sua coluna: Com um projeto a desenvolver, a criança se envolve e aprende, com o processo, a ter disciplina e a se esforçar, a se concentrar, a estudar mais profundamente um assunto. É de uma riqueza imensa essa possibilidade para ela.

Rosely  afirma que buscou saber onde  as crianças têm oportunidade de  fazer suas descobertas e nenhuma delas confirmou que isso acontece na escola. Ela continua sua linha de raciocínio afirmando o seguinte: [...] Precisamos reconhecer: é bem mais interessante aprender quando se coloca a mão na massa. É dessa maneira que a criança é fisgada em seu interesse, em sua curiosidade, em sua surpresa ao perceber que consegue  construir algo importante. E termina da seguinte maneira: Você não faz ideia, caro leitor, do que seu filho seria capaz, caso a escola engajasse seus alunos  no desenvolvimento de projetos.

Rosely traz uma bagagem muito grande porque é consultora de escolas em todo o Brasil; ela, como tantos outros educadores internacionais, confirma que a proposta de se trabalhar com projetos em sala é muito mais enriquecedora.

Por isso, mais uma vez, nós da Moppe­, e todas as famílias que estão conosco e que comungam com essa ideia, sabemos que seus filhos estão desfrutando do que é mais confiável em educação.

Confira a texto “Mão na massa” de Rosely Sayão duplicado na Folha de S. Paulo de 23/09/2014:


Mão na massa
Artigo publicado na Folha de S. Paulo em 23/09/2014.

Vi a notícia de uma garota de 9 anos que queria fazer aulas de guitarra, mas, apesar de seus pais terem comprado o instrumento, ainda não podiam custear as aulas.

Como a menina fazia bolinhos –cupcakes– para a família e todos elogiavam o sabor deles, ela pensou em fazer para vender e, assim, ter dinheiro para suas aulas. A mãe ajudou a garota a planejar seu trabalho para colocá-lo em prática e atingir seu objetivo.

Procurei na internet outras crianças, entre 9 e 12 anos, envolvidas em projetos e, para minha surpresa, encontrei várias delas com trabalhos bem interessantes.

Um garoto de 12 anos, vegetariano por convicção ideológica, está envolvido com a alimentação saudável para crianças. Ele apresenta um programa de culinária para crianças na web, escreveu um livro e dá palestras internacionais a respeito do assunto.

Outro, da mesma idade, interessou-se por fotografia e já foi convidado a colocar suas fotos em mostras e exposições.

Esses exemplos nos permitem pensar nos potenciais que crianças dessa idade têm e que estão represados; as crianças não conseguem colocá-los em ato por falta de oportunidade para descobrir seu interesse.

Com um projeto a desenvolver, a criança se envolve e aprende, com o processo, a ter disciplina e a se esforçar, a se concentrar, a estudar mais profundamente um assunto. É de uma riqueza imensa essa possibilidade para ela.

Nos casos que encontrei em minha busca, foi a família a responsável em oferecer um contexto favorável para a criança fazer sua descoberta e em acolher, incentivar e tutelar seu trabalho.

Nenhuma delas mencionou a escola, em nenhum momento.

Apesar de não ser surpresa para mim a constatação desse fato, é lamentável que a instituição escolar, tão importante na formação das crianças tanto quanto na transmissão da postura necessária para o contato com o conhecimento sistematizado, não colabore para que seus alunos descubram interesses diversos e aprendam mais com isso.

Precisamos reconhecer: é bem mais interessante aprender quando se coloca a mão na massa. É dessa maneira que a criança é fisgada em seu interesse, em sua curiosidade, em sua surpresa ao perceber que consegue construir algo importante.

É assim que ela encontra motivos para se dedicar ao estudo, à compreensão de algo que ela não conhecia, não sabia, não compreendia.

Nós já sabemos que muitos jovens ficam à deriva quando terminam seus estudos básicos porque não conseguem encontrar motivos legítimos para se dedicar a um trabalho ou aos estudos universitários.

Aí eles desistem, não persistem frente às dificuldades, não se esforçam, buscam realizações imediatas e ficam à procura de uma fórmula mágica que os motive. Mas sabemos que essa fórmula não existe.

Então, por que não pedir –exigir!– que a escola atenda a essa necessidade de introduzir seus alunos, desde a mais tenra idade, em situações de aprendizados significativos no desenvolvimento de projetos?

As ciências da educação já construíram os conhecimentos necessários para tanto e temos exemplos pelo mundo de escolas que aplicam essa metodologia.

Você não faz ideia, caro leitor, do que seu filho seria capaz, caso a escola engajasse seus alunos no desenvolvimento de projetos.

Rosely Sayão, psicóloga e consultora em educação, fala sobre as principais dificuldades vividas pela família e pela escola no ato de educar e dialogo sobre o dia-a-dia dessa relação.


 
 

Escola Moppe: Av. Lineu de Moura, 1655 - Urbanova - São José dos Campos/SP
Tel.: (12) 3949-9380 E-mail: moppe@moppe.com.br

Berçário Bambini: Rua Carlos Chagas, 346 - Jd. Esplanada - São José dos Campos/SP
Tel.: (12) 3204-4610 E-mail: bambini@moppe.com.br